Anuncie aqui


Trânsito provoca 44 mortes em um ano

O município de Mogi Mirim registrou 44 mortes no trânsito, segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde. As estatísticas são referentes ao ano de 2013 e evidenciam um aumento de 16% em comparação ao ano anterior, quando houve 38 vítimas fatais.

(Foto: Arquivo/A COMARCA)
Os dados apontam ainda que, do total de mortes, 24 foram por residência, isto é, vitimaram pessoas que moravam em Mogi Mirim. Os outros 20 óbitos foram em ocorrência, ou seja, aconteceram no município. Em 2012, foram 16 mortes por residência e 22 por ocorrência.

As estatísticas contabilizadas incluem acidentes envolvendo pedestres, ciclistas, motociclista, motoristas e ocupantes de automóveis, ônibus e demais veículos. Em 2013, um dos casos que ganhou maior repercussão foi a morte de Rafael Campagnoli Duzzi, de 38 anos, ao colidir sua motocicleta com um trator na Avenida Luiz Gonzaga de Amoêdo Campos.

O município de Mogi Mirim também aparece em 5º lugar na regional de trânsito de Campinas, com o maior número de óbitos por acidentes de transportes terrestres, conforme dados do Observatório Paulista de Trânsito (OPT) de 2012.

CONSCIENTIZAÇÃO
O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) e a Prefeitura de Mogi Mirim firmaram um convênio para a realização de um programa de educação viária em 16 escolas municipais. O programa será realizado gratuitamente, junto aos professores e alunos.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, a iniciativa visa incentivar educadores e alunos a adotarem um comportamento mais seguro no trânsito e a apresentarem propostas de melhorias para o deslocamento de pedestres, condutores e passageiros.

O programa, que tem duração de três anos, capacitará por ano 72 professores dos ciclos 1 e 2 do ensino fundamental (1º ao 9º ano), para que os educadores elaborem junto a seus alunos projetos escolares sobre o tema. Os trabalhos serão inscritos em uma premiação nacional.

Em 2016, a pauta será "Circulando pelo Bairro", com enfoque na pluralidade cultural que pode ser observada no entorno de cada escola. Os materiais de apoio serão cedidos pela Fundacão Mapfre. Não haverá, portanto, custos para a administração municipal e para o Detran.SP.

Por Flávio Magalhães
Editoria: ,

Placas de aguapés de desprendem do Lago do Lavapés

Durante toda a semana foi fácil notar a presença de grande quantidade de aguapés na superfície do lago do Complexo Esportivo “José Geraldo Franco Ortiz”, no Lavapés.

As plantas se desprenderam de um local próximo a uma queda de água e o vento descolou os blocos da espécie para às margens do lago. Além dos aguapés, grande quantidade de sujeira também foi arrastada junto das plantas.

A planta aquática - Eichornia crassipes -, o aguapé, é o que poderíamos chamar de "vegetal-água": 95% da planta corresponde à água. Esta planta possui raízes longas - podem medir até um metro -, rizomas, estolões, pecíolos, folhas e inflorescências. A parte que fica fora d´água, podendo atingir uma altura que varia desde alguns centímetros até um metro.

O aguapé se apresenta suspenso, flutuando livremente, enroscado em obstáculos, preso ao solo em locais de água rasa e até enraizado em áreas consideradas secas. A planta possui uma grande quantidade de pecíolos cheios de cavidades de ar - isso explica o enorme poder de flutuar.

A reprodução dos aguapés ocorre por meio de sementes e por brotações laterais - novas plantas são produzidas por estolões e o seu crescimento lateral ocorre a partir do rizoma.

Aguapés se proliferam no lago do Complexo Esportivo Lavapés (Foto: Marcelo Gotti/A COMARCA)

O aguapé serve de abrigo natural a organismos de vários tamanhos e aspectos, servindo de habitat para uma fauna bastante rica, desde microrganismos, moluscos, insetos, peixes, anfíbios e répteis até aves.

Quando largado nas águas, sem uso, o aguapé chega a prejudicar a navegabilidade dos rios, causando até problemas em reservatórios de usinas hidrelétricas em razão de sua rápida proliferação.

Entretanto, quando bem aproveitada esta planta pode trazer benefícios incríveis. Uma das principais vantagens do aguapé é que ele é um filtro natural, uma vez que apresenta a capacidade de incorporar em seus tecidos uma grande quantidade de nutrientes.

Assim, se um lago ou um reservatório estiverem poluídos, coloca-se o aguapé: suas raízes longas e finas, com uma enorme quantidade de bactérias e fungos, atuam sobre as moléculas tóxicas, quebrando sua estrutura e permitindo que a planta assimile estes componentes tóxicos.

O único cuidado é vigiar de perto seu crescimento vigoroso para mantê-lo sempre sob controle. Não se aconselha, entretanto, a utilização e presença de aguapés em lagos extensos, em represas com possíveis remansos ou mesmo em tanques de dimensões maiores, pelas dificuldades de remoção e controle.

Por Marcelo Gotti

Falida, Prefeitura cancela desfiles para pagar salários

Quebrada em razão de uma grave crise financeira, a Prefeitura de Mogi Mirim cancelou os desfiles cívicos da Independência, em 07 de setembro, e do Dia da Cidade, em 22 de outubro. O desfile de Martim Francisco, que seria realizado no domingo, 30, em comemoração à Independência da República, também foi cancelado.

Desfiles cívicos de Independência e de Aniversário da Cidade foram cancelados pelo prefeito Gustavo Stupp (Foto: Arquivo/A COMARCA)

A decisão é consequência do decreto n° 6.973/2015, de autoria do prefeito Gustavo Stupp (PDT), que suspendeu investimentos em Mogi Mirim por tempo indeterminado. Segundo a Prefeitura, o cancelamento dos desfiles é necessário para assegurar o pagamento dos salários dos servidores municipais e manter o equilíbrio entre receita e despesas públicas.

"Promover os desfiles cívicos, neste momento, demandaria gastos com combustível para o transporte de alunos, pagamento de serviços de motoristas e dos profissionais de educação, além de investimento em decoração e contratação de serviços de som", destacou a Prefeitura.

Com a queda de receitas do município, o Governo Stupp vem colocando em prática planos de contenção de despesas, que estão cada vez mais duros. A ordem agora é economizar até nas contas de água e energia elétrica, restringindo o uso de ventiladores e equipamentos de ar-condicionado.

Por Flávio Magalhães
Editoria: ,

Obras de alargamento da calçada da Rua XV têm início


Dentro do cronograma estabelecido pela Prefeitura, as obras para a revitalização da Rua XV de Movembro, no Centro, estão sendo executadas. Na primeira semana de trabalho, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) efetuou a substituição da rede de água somente na extensão da Rua XV.

No entanto, o piso intertravado que será utilizado na Rua XV facilita uma futura intervenção, uma vez que são placas de fácil remoção. Desde o início da semana, a Prefeitura executa o alargamento da calçada do lado direito da Rua XV.

As sarjetas já foram posicionadas no novo ponto onde será abrigado o novo calçadão da via.
Atualmente, o maior ponto da calçada do lado direito da Rua XV apresenta 1,10 metro de largura, sendo que a área útil é de menos de 40 centímetros, o que dificulta a locomoção de pedestres, especialmente de pessoas com mobilidade reduzida.

Com a revitalização, a calçada ganhará área adicional de 1,90 metro, ampliando a área útil para passagem de pedestres. No lado esquerdo da calçada, serão mantidas as guias e a geometria atual, com demolição do atual pavimento e troca do piso.

Sarjetas já começam a ser posicionadas na Rua XV (Foto: Marcelo Gotti/A COMARCA)
A empresa Florestana Paisagismo, Construções e Serviços LTDA foi contratada para executar o calçamento de piso permeável e acessível. A pavimentação das calçadas será feita com piso intertravado, que favorece a acessibilidade, a drenagem e a manutenção.
A segunda etapa da revitalização consiste no paisagismo e ornamentação da via. Juntamente com a Associação Comercial e Industrial de Mogi Mirim (Acimm), a Prefeitura buscará parceiros para viabilizar a instalação de bancos, lixeiras, luminárias e floreiras, através do Programa Adote o Verde, regulamentado por lei municipal.
Durante as obras, o comércio na Rua XV funcionará normalmente, a via será interditada apenas para o tráfego de veículos. Pedestres poderão transitar e realizar suas compras.
As obras devem ser concluídas em meados de novembro para que a população possa usufruir da revitalização durante as compras de Natal.

Por: Marcelo Gotti


Editoria: , ,

Voçoroca pega fogo no Parque da Imprensa

Uma grande área de preservação ambiental, a voçoroca, localizada próximo ao Estádio “Ismael Polettini”, no Parque da Imprensa, na zona Oeste, pegou fogo no início da tarde da última quinta-feira, 20.

Segundo informações de moradores vizinhos, as chamas podem ter sido provocadas por usuários de drogas que frequentam a voçoroca diariamente. O Corpo de Bombeiro foi acionado para controlar as labaredas que consumiu grande extensão da área.

Com o tempo seco e falta de ocorrência de chuvas, a vegetação fica muito vulnerável a qualquer foco de incêndio. Alguns homens do Corpo de Bombeiros usaram “abafadores” para controlar as chamas.
Com o foco de incêndio, uma grande quantidade de fumaça branca cobriu parte do bairro do Parque da Imprensa e incomodou os moradores vizinhos ao terreno da Voçoroca.

Nas últimas semanas, a reportagem de A COMARCA noticiou a ocorrência de queimadas em vários terrenos espalhados em diversas regiões da cidade. O Corpo de Bombeiros de Mogi Mirim pede para que os moradores não ateiem fogo em terrenos baldios para realizar a limpeza do local.

Homens do Corpo de Bombeiros foram acionados para controlar as chamas (Foto: Marcelo Gotti/A COMARCA)

RECOMENDAÇÕES
Em tempos de estiagem, o calor extremo e a baixa umidade relativa do ar contribuem para aumentar a quantidade de incêndio em vegetações, terrenos baldios e pastagens.

Entretanto, as queimadas poderiam ser evitadas com pequenas atitudes diárias. Como medida preventiva aos incêndios, o Corpo de Bombeiros faz algumas recomendações: não lançar pontas de cigarro pela janela do veículo quando trafegar por rodovias, uma vez que a vegetação seca pega fogo com muita facilidade com a baixa umidade do período de estiagem; capinar terrenos sem uso do fogo; reduzir o uso de embalagens de produtos diversos, diminuindo a quantidade de lixo na natureza; ao realizar acampamentos, ser bastante cuidadoso na hora de acender fogueiras, velas e lampiões e não jogar lixo pelas ruas e terrenos.

As latas de metal, os cacos e garrafas de vidro podem se aquecer ao sol e acabar dando origem às queimadas; As consequências das queimadas são inúmeras e afetam diretamente a vida das pessoas e o Meio Ambiente. Entre elas, está o agravamento de problemas respiratórios; mortandade de peixes; mortandade de animais; empobrecimento do solo; agravamento do aquecimento global; destruição da camada de ozônio e  congestionamento do sistema de saúde.

Por Marcelo Gotti

Ratinho rescinde com o Mogi e volta para o Joinville


Uma das principais peças do Mogi Mirim no Campeonato Brasileiro da Série B, o lateral-direito Edson Ratinho, não faz mais parte do plantel mogimiriano. O atleta rescindiu contrato com o clube nesta terça-feira, 25, e voltará a vestir a camisa do Joinville, time que disputa a Série A do Brasileiro.
Pelo Sapão da Mogiana na Série B do Brasileiro, Edson Ratinho marcou três gols. Com um plantel inchado, por volta de 45 jogadores, a vaga deixada por Ratinho deverá ser disputada por Valdir e Rafinha.
O lateral-direito tinha contrato até o final de novembro com o Mogi, mas seguiu o mesmo caminho do ex-presidente do Sapo, Rivaldo Ferreira, e do atacante Rivaldinho, que também deixaram o clube nas últimas semanas.

Neste sábado, 29, o Mogi recebe o Bahia no Estádio “Romildo Ferreira”, às 21h. A partida será válida pela 2ª rodada do returno da Série B do Brasileiro. Com apenas 17 pontos, o time mogimiriano é o lanterna da competição.

Por: Marcelo Gotti

Contrato de R$ 11 milhões é investigado

Um contrato de aproximadamente R$ 11,3 milhões da Prefeitura de Mogi Mirim com a empresa Pluri Rental Comercial Locações, de Ribeirão Pires (SP) está sob investigação do Ministério Público (MP). O promotor Rogério Filócomo Júnior já abriu um inquérito civil e as partes envolvidas foram oficiadas.

A investigação é motivada pelo fato de que a contratação se deu para o aluguel de caminhões e máquinas pesadas, sendo que a Prefeitura já possui caminhões e máquinas pesadas. Tanto que a empresa Gallo Pneus foi contratada para a manutenção desses veículos, o que até rendeu outra investigação do MP anteriormente, uma vez que a Gallo Pneus repassa irregularmente os serviços para outra empresa.

A suspeita do Ministério Público é de superfaturamento no contrato. O próximo passo da Promotoria é solicitar da Prefeitura a relação completa dos caminhões e máquinas pesadas utilizadas pelo Poder Público e a comprovação dos serviços executados pela Pluri Rental, indicando os respectivos caminhões contratados.

Promotor Rogério Filócomo Júnior investiga contratação (Foto: Flávio Magalhães/A COMARCA)

O inquérito civil foi instaurado em face do ex-secretário de Governo, Gabriel Mazon, do ex-secretário de Suprimentos e Qualidade, Antonio Carlos Camilotti Júnior, e o atual secretário de Obras, Habitação e Serviços, Wilson Rogério da Silva.

CONTRATAÇÃO
O contrato investigado é referente ao ano de 2013 e foi válido por 12 meses. Atualmente, a Prefeitura está com um novo edital aberto, para locação de caminhões e equipamentos pesados, nos moldes semelhantes aos do questionado pelo Ministério Público.

A concorrência pública está em fase de análise das documentações das empresas interessadas. Dentre as seis habilitadas está a própria Pluri Rental Comercial Locações. Agora, as propostas de preço serão realizadas em data a ser marcada pela Secretaria de Suprimentos e Qualidade.

Por Flávio Magalhães
Scroll to top