Mogiano, vice de Brandão, está inelegível e Justiça indefere chapa do PMDB para as eleições

A Justiça Eleitoral de Mogi Mirim indeferiu a chapa do PMDB para as eleições municipais de 2016 porque o candidato a vice-prefeito José dos Santos Moreno, o Mogiano, está inelegível.

A juíza Fabiana Garcia Garibaldi considerou que o registro de candidatura não pode ser concedido a Mogiano porque o candidato possui uma condenação pela prática de crime previsto pela Lei de Licitações.

Com o impedimento de Mogiano, a magistrada julgou como indeferida a chapa para eleição majoritária da Coligação “Tudo por Mogi Mirim” (PMDB, PP, PTB, PEN, PROS, PRB e DEM), que lançou Ricardo Brandão para prefeito.

Mais informações a qualquer momento e 
a cobertura completa no Jornal A COMARCA.


Carlos Nelson é candidato, decide Justiça

A Justiça Eleitoral julgou improcedente os pedidos de impugnação contra o candidato a prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB). Com isso, o tucano pode definitivamente concorrer nas eleições de outubro.

Para a juíza Fabiana Garcia Garibaldi, os argumentos apresentados pelo advogado José Aparecido Cunha Barbosa e pelas coligações de Ricardo Brandão (PMDB) e Ernani Gragnanello (PT) não implicam em inelegibilidade para o ex-prefeito.

Mais informações a qualquer momento e 
a cobertura completa no jornal A COMARCA.

Carlos Nelson e Dra Lúcia Tenório podem concorrer livremente nas eleições de outubro

Manifestantes pedem a saída de Temer e bloqueiam avenida

Um grupo de aproximadamente 50 jovens de Mogi Mirim e Mogi Guaçu organizaram um protesto contra o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) no fim da tarde e início da noite de ontem, 02. O manifesto ocorreu na rotatória que dá acesso ao Hospital Municipal guaçuano, no cruzamento das avenidas Padre Jaime, Mogi Mirim e dos Trabalhadores.

Munidos de faixas e cartazes em que era possível ler frases como “resistir sempre, Temer jamais”, “querem vender o Brasil” e “Fora Temer!”, os manifestantes entoaram palavras de ordem para os motoristas que transitavam pelo local. Foram ouvidos gritos de “Temer golpista!” e “fascistas, golpistas, não passarão!”.


Em diversos momentos, o grupo que protestava invadiu a avenida e impediu o trânsito de veículos em pleno horário de pico, causando a revolta de alguns que trafegavam pelo local. Não raro, motos e veículos tentavam avançar sobre os jovens. Alguns motoristas hostilizam os participantes do protesto, enquanto alguns outros demonstravam apoio.

A forças policiais e de segurança não acompanharam a manifestação durante o período de tempo em que a reportagem de A COMARCA esteve no local. O protesto durou aproximadamente duas horas.


BRASIL
Movimentos sociais, estudantis e coletivos feministas fizeram manifestações por todo o Brasil protestando contra o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e pedindo a saída do presidente da República, Michel Temer.

Um dos membros da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, disse, após o último pronunciamento de Dilma Rousseff, que a organização prepara novas ocupações de terras para as próximas horas em protesto ao que considera um golpe de Estado.

População estimada de Mogi Mirim chega a quase 92 mil habitantes

O Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) divulgou na semana passada a população estimada dos mais de 5.570 municípios brasileiros e Mogi Mirim teve crescimento inferior a 1% em comparação com ano passado. De 91.483 habitantes em 2015, pulou para 91.929 neste ano de 2016. Em 2014 eram 91.027 e em 2013, 90.558. Há seis anos, quando foi feito o último censo, a população aferida foi de 86.505 habitantes.

Na região, Mogi Guaçu continua reinando absoluta em termos populacionais, com 148.327, devendo atingir a simbólica casa de 150 mil habitantes em 2018. Itapira tem atualmente, conforme o IBGE, 73.410 habitantes em 2016. No ano passado eram 72.967; 443 novos moradores em um ano, 3 a menos do que Mogi Mirim.

Das cidades vizinhas, temos ainda Arthur Nogueira com 51.126 e Santo Antonio da Posse, com 22.597. Na microrregião, Estiva Gerbi tem a menor população, 10.971 habitantes.  São João da Boa Vista, também considerada espécie de “capital regional”, somou 89.564; menos do que Mogi Mirim. Espírito Santo do Pinhal teve 44.036.

No Brasil São Paulo continua imbatível, com pouco mais de 12 milhões de habitantes. A menor população foi a do município de Serra da Saudade, região central de Minas Gerais, com 815 habitantes. A segunda menor população fica no estado de São Paulo, em Borá, com 838. Para agentes públicos, o aumento ou diminuição da população traz interferência direta na distribuição de alguns recursos do Governo Federal.



Editoria:

Mogi Mirim empata no Sul e se complica na Série C

O Mogi Mirim Esporte Clube viajou ao Rio Grande do Sul, onde enfrentou nesse domingo, 04, a equipe do Ypiranga. A partida realizada no estádio Colosso da Lagoa, em Erechim, terminou empatada sem gols. Esse foi o quarto jogo seguido do Sapão da Mogiana sem marcar.

A equipe comanda por Leston entrou em campo com Gustavo, Edvan, Murilo Henrique, Renato Camilo, Bruno Ré, Gilson, Romárinho, Alan Mota, Kaio, Diego Clementino e Jô. A melhor chance do Mogi Mirim no primeiro tempo saiu dos pés de Kaio. O atleta arriscou de longe e acertou o travessão da equipe gaúcha.

A equipe do Sapão voltou para o segundo tempo precisando do resultado positivo, entretanto, não conseguiu transformar em gols as chances criadas. Diego Clementino parou nas mãos do goleiro Carlão do Ypiranga, e Marlon, que entrou no lugar de Kaio, acertou a trave da meta defendida pelo time gaúcho.

Do outro lado, o Goleiro Gustavo do Sapão realizou boas defesas, e ajudou a equipe do Mogi Mirim a assegurar um ponto fora de casa.

Com o resultado, o Mogi Mirim se complicou em busca da classificação para a próxima fase do Campeonato Brasileiro da Série C. Com 22 pontos e ocupando a sétima colocação, o Sapão precisa vencer os dois próximos jogos e ainda depender de uma combinação de resultados para conseguir uma vaga para as quartas-de-final da competição.

Livro retrata trajetória dos italianos em Mogi

A contribuição dos imigrantes italianos para o desenvolvimento de Mogi Mirim e das cidades da Baixa Mogiana está agora reunida em livro. “Italianos em Mogi Mirim”, escrito por Carmen Lúcia Bridi e Sérgio Romanello Campos (in memorian) traça a trajetória dos imigrantes da Itália para o município mogimiriano e relata a origem de algumas tradicionais famílias da cidade.

“O objetivo inicial foi deixar registrado as famílias que passaram por Mogi Mirim e seus descendentes”, explicou Carmen para a reportagem de A COMARCA. Essa iniciativa é antiga. Desde os anos 2000, segundo a autora, há registros da hoje extinta Associação de Cultura Ítalo-brasileira em Mogi Mirim sobre a produção de um livro para esse fim.

De lá para cá as pesquisas continuaram, mas com alguns contratempos e interrupções. O professor Sérgio Romanello Campos faleceu em 2005, porém deixou várias anotações que puderam ser aproveitadas na obra. Por fim, o livro relata muito mais do que a origem das famílias italianas em Mogi, abordando questões como núcleos colônias e a legalização dos estrangeiros.


Bem ilustrada, a obra pode ser entendida como uma mostra da contribuição dos italianos e seus descendentes para o desenvolvimento econômico, sociocultural e geográfico de Mogi Mirim e região. Entre suas principais fontes estão o centenário jornal A COMARCA e o periódico A Gazeta de Mogy-Mirim, que circulou de 1886 a 1893.

“Italianos em Mogi Mirim” traz, por exemplo, a relação de imigrantes registrados pela Delegacia de Polícia da cidade, levantamento dos comércios mantidos pelas famílias e, claro, a origem de algumas delas, vindas da Itália e aqui estabelecidas. Foram 44 relatos ao todo.

Como o território mogimiriano era muito extenso há décadas atrás, dando origem a diversas cidades posteriormente, o livro aborda o passado não só de famílias que aqui residem, mas também de Mogi Guaçu, Conchal, Itapira e Jaguariúna, antigos distritos de Mogi Mirim. “Contando a história desses italianos, contamos também a história da cidade e da região", resume a autora.

LANÇAMENTO
O lançamento oficial de “Italianos em Mogi Mirim” ocorre no próximo dia 16, a partir das 20 horas, na sede da Associação Comercial e Industrial de Mogi Mirim (Acimm). Na ocasião, além de uma noite de autógrafos com a autora Carmen Lúcia Bridi, a obra estará com um preço promocional.

Quem não puder comparecer ao lançamento pode adquirir o livro posteriormente em três pontos de venda na cidade: a livraria Mojilivros, a papelaria Papiro e a Banca São José, todos na região central de Mogi Mirim.

Editoria: ,

Prefeitura impõe severo corte de gastos ao funcionalismo

O prefeito Gustavo Stupp (PDT) decretou a mais severa contenção de despesas de sua administração. Publicado no Jornal Oficial do último sábado, 27, o decreto 7247/16 determina a suspensão de investimentos, o corte de funções gratificadas do Funcionalismo, a demissão de funcionários comissionados, a contratação de novos servidores, dentre outros.

Por força do decreto, o chefe do Executivo mogimiriano suspendeu quaisquer novos investimentos no município, com exceção dos obrigatórios por lei em Educação e Saúde e das obras já iniciadas. No entanto, o Governo Stupp poderá suspender qualquer obra ou investimento em andamento se entender necessário.

Além disso, desde quinta-feira, 01, foram suspensas todas as funções gratificadas (FGs) recebidas por funcionários públicos concursados e ficam proibidas as concessões de novas gratificações. Já os comissionados de segundo escalão do governo serão dispensados no primeiro dia de outubro.

A convocação ou contratação de novos servidores públicos também está suspensa até 31 de dezembro. Quanto aos servidores de carreira da Prefeitura, serão concedidas férias apenas para os que estejam com o segundo período aquisitivo em vias de vencimento, não podendo ultrapassar 23 meses.

Também ficam proibidas as horas extras, salvo casos de emergências, e o trabalho com equipamentos do município fora do horário de expediente (sábados, domingos e feriados), com exceção das ambulâncias.

Prefeito Gustavo Stupp (PDT) decretou corte de gastos

Além disso, foi determinado por Stupp a redução de 10% dos gastos da Prefeitura com água, energia, telefonia, combustíveis e serviços terceirizados. A orientação é para reduzir ao máximo o uso de ar-condicionado, ventiladores e impressão de documentos.

Para ajudar a cumprir a contenção de gastos, Stupp decretou ainda o fechamento, através de ponto facultativo, da Prefeitura entre 19 e 30 de dezembro. Com isso a Administração Municipal voltaria a funcionar somente no dia 02 de janeiro, com o novo prefeito eleito em outubro.

Assim, a Secretaria de Finanças funciona apenas internamente, para fechamento do exercício. Já a Saúde trabalha em esquema de plantão e por polos. Na zona Leste, permanecerá aberta somente a UBS “Antonio Albejante”. Na zona Norte, funcionará só a UBS Santa Clara. Já o atendimento da zona Sul e Martim Francisco será concentrado na UBS Maria Beatriz.

Os únicos setores que não admitem paralisação são o Bem-Estar Animal, Bombeiro, Cemitério, Conselho Tutelar, Equipe de Emergência do Saae, Guarda Civil Municipal, Setor de Transporte Coletivo, Setor Operacional de Obras, Velório e Zoológico.

De acordo com o prefeito, essas medidas visam manter em dia o pagamento do funcionalismo público e garantir seu 13º salário, pagar os precatórios e as ações judiciais, além de manter o município dentro dos parâmetros previstos pela Lei de Responsabilidade Fiscal e pela Lei de Crimes Fiscais.

Scroll to top